Home > Marist World > Brazil: Rede Marista de Solidariedade lança documentário sobre Ambientes Educativos

 


Wherever you go

Rule of Life of the Marist Brothers


 



 


Social networking

Marist Brothers

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Today's picture

General House: Visit of the Presidency of CLAR to the General Administration

Marist Brothers - Archive of pictures

Archive of pictures

 

Latest updates

 


Calls of the XXII General Chapter



FMSI


Archive of updates

 

Marist Calendar

15 November

Saint Albert the Great
1845: Françoise Perroton, a foundress of the Marist Missionary Sisters, left for Oceania
1875: Father Jean-Claude Colin died at La Neylière

Marist Calendar - November

Rede Marista de Solidariedade lança documentário sobre Ambientes Educativos

 

Archive: 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007 | 2006 | 2005 | 2004

09/11/2016: Brazil

 

Documentário “Territoriar: Ambientes Educativos Inspiram Novas Aprendizagens”

Filme promove reflexões sobre a qualidade e permanência escolar na educação pública brasileira 

No dia 9 de novembro, às 18 horas, a Rede Marista de Solidariedade, por meio do Centro Marista de Defesa da Infância, lança o documentário "Territoriar: ambientes educativos inspiram novas aprendizagens". Com produção da Catalunya Filmes, o documentário que tem 35 minutos, traz à pauta reflexões sobre a qualidade e permanência escolar na educação pública brasileira. O lançamento acontece na abertura do II Congresso Internacional de Direitos Humanos, que será realizado na PUCPR.

Com base em entrevistas e relatos registrados durante a execução do Projeto Territoriar, o documentário discute o modelo de escola atual, com destaque para o modelo arquitetônico, as relações com o território e a participação da comunidade na organização escolar. A narrativa apresenta, ainda, o projeto Territoriar como uma prática que visa contribuir na qualificação da educação pública do país, propondo a participação da comunidade na ressignificação de espaços educativos do Primeiro Ciclo do Ensino Fundamental, considerando a convivência, a humanização, a ludicidade, a investigação e o sentimento de pertencimento territorial.

“Entendemos este documentário como ferramenta de disseminação e democratização dos estudos e reflexões que realizamos no assessoramento a outras instituições. É também um momento de formação e reflexão sobre as práticas educacionais que entendem a relevância de se considerar e valorizar os ambientes educativos, os territórios, a comunidade, a participação infantil e a arquitetura como imprescindíveis na aprendizagem”, afirma Bárbara Pimpão, coordenadora do projeto.

Nos dias 22 e 24 de novembro, a Cinemateca de Curitiba fará sessões gratuitas do documentário, às 10h30 e 16h, seguida de debate com a equipe do projeto.

O Projeto Territoriar

 Baseado nas diretrizes do Plano Nacional de Educação (PNE-MEC), o Projeto Territoriar busca contribuir com a qualificação da educação pública por meio da ressignificação de espaços educativos ao considerar as especificidades de cada criança e território. Para isso, na sua execução, propõe a criação de Comitês Multidisciplinares em todas as escolas, com a participação de crianças, familiares, educadores, gestores, voluntários, representantes da Secretaria Municipal de Educação e demais instituições do Sistema de Garantia de Direitos.

Iniciado em 2015, o projeto envolveu 15 escolas públicas do primeiro Ciclo do Ensino Fundamental em sete cidades dos Estados de Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina e São Paulo. 

Uma pesquisa inicial indicou os espaços considerados prioritários para serem ressignificados: em 31% das escolas a indicação foi pela área para lazer e convivência; 23% biblioteca; 19% pintura (cores vivas, ambientes mais atrativos); 6% salas de aula (dinâmicas, lúdicas e com mobiliários diferenciados); 6% pátio (espaço que favoreça o brincar e a convivência); 6% tenda/quiosque (espaços cobertos para atividades); e 3% sala multiuso.

Com base nessa pesquisa e no diálogo estabelecido nos Comitês, o projeto proporcionou as ressignificações nas 15 escolas. Em Colombo, por exemplo, três escolas participaram do projeto: Escola Municipal Barão de Mauá, que teve o seu parque e a área de convivência ressignificados; a Escola Municipal Carlos Fontoura Falavinha, que definiu a área de convivência e a biblioteca para intervenção; e a Escola Municipal João Batista Stocco, que optou pelo parque, duas salas de aula e o refeitório.

Um dos espaços ressignificados na Escola Municipal João Batista Stocco, que atende 640 crianças de 5 a 12 anos, foi o parque. A área escolhida recebeu brinquedos para todas as idades e possibilitou o acesso a um bosque. Espera-se que com esta intervenção, o ambiente incentive novas práticas metodológicas pelos educadores e educandos.

“O projeto nos motivou para que conseguíssemos fazer essas modificações e atender o pedido das crianças, que contribuíram com opiniões do que faltava na escola. A intervenção do projeto não foi só na área física, mas também na nossa prática pedagógica. Com as formações, tivemos conhecimento de novas brincadeiras, atividades e conteúdos importantes para o desenvolvimento das nossas crianças. Com esta intervenção, o ambiente vai nos permitir novas práticas metodológicas, que aliam o lúdico ao ensino-aprendizagem, tornando-o instigante, desafiador e prazeroso”, revela a diretora Sandra Maria Carvalho de Oliveira.

727 visits