Inicio > Mundo marista > Portugal: Fundação Champagnat - Lisboa

 


 


 



 


Emili Turú - La Valla: casa de la luz

Emili Turú
Superior general



 

FMSI

Conectarse

Hermanos maristas

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Foto de hoy

Bangladesh: Giasnogor

Hermanos maristas - Archivo de fotos

Archivo de fotos

 

Últimas novedades

Archivo de novedades

 

Calendario marista

29 mayo

Santos: Justo, Maximiliano y Sofía.
1955: beatificación de Marcelino Champagnat por el papa Pío XII.

Calendario marista - mayo

Fundação Champagnat - Lisboa

 

Archivo: 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007 | 2006 | 2005 | 2004

04/05/2017: Portugal

 

Baixar pdf - 3 MB

Uma mesa de restaurante. Cinco homens em animada conversa. Trabalho/futebol/política, temas habituais, à volta de um bom almoço. O almoço encaminha-se para o fim, mas a conversa parece ainda estar no início. Entra uma velhinha, magra, enrugada nos seus muitos e sofridos anos. Contemplo-a e reconheço-lhe uma beleza peculiar. Vende (algo parecido com) flores.

Pede-nos o resto de um pão que sobra no cesto. Convidamo-la a sentar-se. Pedimos ao empregado para a servir. Senta-se na ponta da mesa, mergulhada na tigela de sopa que engole sofregamente. Metemos conversa, mas está tão concentrada na sua tarefa que pouco mais faz do que emitir pequenos sons.

No fim, pergunta-nos quanto deve! Nada, ou tudo. Uma lição de vida. Abre um saco amarrotado e oferece uma (espécie de) flor.

Esta história, aqui um pouco romanceada, é verídica e foi por mim presenciada. Apesar de a cultura ocidental nos querer levar a acreditar no contrário, não somos “ilhas”, não podemos ser felizes sozinhos, nem o “eu” individual é concorrente com a dimensão comunitária. Todos temos algo a dar em favor do outro: um pouco do nosso tempo, da nossa atenção, sensibilidade e talentos. É esta a nossa missão como pessoas, como cristãos, como maristas e como membros ou amigos da Fundação Champagnat, dando sentido ao sonho do nosso Fundador: atender crianças e jovens, especialmente os mais necessitados e desatendidos.

O Papa Francisco recorda-nos que “o dever da solidariedade obriga-nos a criar modalidades justas de partilha, para que não haja aquela dramática desigualdade entre quem tem demasiado e quem não tem nada, entre quem descarta e quem é descartado”.

Uma palavra de gratidão a todas as pessoas que dão corpo a esta obra: membros dos diversos órgãos da Fundação, pessoas que trabalham no dia a dia nas instituições e projetos levados a cabo, voluntários, apoiantes a nível pessoal ou empresas. A ajuda de cada um, independentemente da forma ou do valor material, é preciosa.

_________________

Ir. José Luís Pedrinho - Diretor do Colégio Marista de Carcavelos

185 visitas