Inicio > Mundo marista > Brasil: Brasil Centro-Sul: Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar

 

 


 



 


Ernesto Sánchez, Superior general

El nuevo comienzo ya ha comenzado
H. Ernesto Sánchez, Superior general



 

FMSI

Conectarse

Hermanos maristas

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Foto de hoy

Grecia: 110 aniversario de presencia marista, Atenas

Hermanos maristas - Archivo de fotos

Archivo de fotos

 

Últimas novedades

Archivo de novedades

 

Calendario marista

18 noviembre

Dedicación de las basílicas de san Pedro y san Pablo en Roma

Calendario marista - noviembre

Brasil Centro-Sul: Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar

 

Archivo: 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007 | 2006 | 2005 | 2004

30/10/2017: Brasil

 

No mês em que é celebrado o Dia das Crianças e do Professor, a Rede Marista de Solidariedade, por meio do Centro Marista de Defesa da Infância, lança a série de vídeos “Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar”.

Com o objetivo de promover o brincar como linguagem essencial da infância, pela qual meninos e meninas se desenvolvem de forma integral, foi produzida a série que é composta por cinco vídeos com o registro de práticas da Educação Infantil e do primeiro ano do Ensino Fundamental, dos municípios contemplados pelo projeto de mesmo nome, entre 2014 e 2015, além de experiência dentro da própria Rede Marista de Solidariedade e da Rede Marista de Colégios.

Segundo Vinícius Gallon, diretor da série que atua no Centro de Defesa, os vídeos trazem problematizações e apontam alguns caminhos possíveis para a efetivação desse direito, ampliando o debate sobre o brincar na escola e outros espaços que a criança convive. “Acreditamos que com a série os diferentes atores que compõem a comunidade escolar poderão ter mais subsídios para desenvolver práticas de promoção e defesa do direito ao brincar em suas unidades. Nossa maior contribuição talvez seja em trazer realidades e territórios muito diversos, dando voz para profissionais que estão na ponta e conseguem desenvolver trabalhos incríveis, por vezes sem muitos recursos. Temos também a alegria de contar com a contribuição de especialistas muito relevantes do cenário nacional, que validam todo esse trabalho e dão base para nossa discussão”, afirma.

Os vídeos abordam os temas: ‘Culturas infantis e a defesa do direito ao brincar na infância’; ‘O brincar como linguagem promotora de aprendizagens’; ‘Os espaçostempos para o brincar na escola’; ‘O adulto brincante e mediador de brincadeiras com as crianças’; e ‘A produção das brincadeiras e os territórios’. Honi Rubik, produtora da série que também atua no Centro de Defesa, conta que os temas foram eleitos tendo em vista contribuir com a formação de profissionais que por diversos motivos nunca tenham se aprofundado nos debates sobre a defesa do direito ao brincar. “Existem muitos documentos e outros materiais, inclusive em vídeo, que também cumprem com esse papel. No entanto, com nossa prática pudemos perceber que os tempos para formação continuada de professores assim como o acesso a materiais de qualidade nem sempre são garantidos. Por isso os vídeos se propõem a ser uma união de práticas e teorias, a fim de inspirar educadores de todo país a desenvolverem práticas pedagógicas de qualidade que visem o direito ao brincar e o desenvolvimento integral das crianças”, explica.

A arquiteta e urbanista Beatriz Goulart, o educador, professor universitário Gabriel Junqueira, o artista plástico Gandhy Piorsky, os educadores e artistas populares Leandro Medina e Nélio Spréa, as pedagogas e diretoras dos Centros Sociais Maristas Robru e Itaquera, Aline Paes e Sheila Pomilho, os assistentes sociais Marco Antonio Barbosa e Ana Cristina Silva, estão entre os especialistas presentes nos vídeos. Além da experiência de diretores e educadores das escolas municipais participantes do projeto.

A pedagoga Sheila Pomilho explica que o brincar contribui para que a criança se desenvolva integralmente, por isso a importância de garantir esse direito. “Quando a gente fala do desenvolvimento motor, físico, psicológico, social, o brincar perpassa todas essas aprendizagens das crianças”, explica.

A série de vídeos “Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar” e informações sobre o projeto estão disponíveis aqui.

154 visitas