28 de maio de 2010 CASA GERAL

29 de maio de 1955

Marcelino Champagnat, nosso Fundador, foi beatificado no dia 29 de maio de 1955, na Praça São Pedro, do Vaticano. Quarenta e seis anos após sua morte, em 1886, começou um percurso que conduziu à beatificação e, depois, à canonização. O processo diocesano durou 5 anos e, em 1896, o Papa Leão XIII assinou o decreto de introdução da causa, dando a Champagnat o título de Venerável. Cinquenta e nove anos mais tarde (1955), na solenidade de Pentecostes, foi beatificado na celebração presidida pelo Cardeal Tedeschini. Para relembrar essa data, reproduzimos, abaixo, dois textos. O primeiro, tomado do Bulletin de l?Institut, descreve o clima vivido pelos Irmãos em Roma e o segundo recorda os passos da história que culminaram na beatificação. São Marcelino Champagnat foi canonizado na Praça São Pedro, no dia 18 de abril de 1999.

O clima da beatificação

Na tranquila manhã de Pentecostes, de 29 de maio de 1955, quando a atmosfera ainda não está mormacenta com os fortes calores do verão romano, grupos de Irmãos Maristas de todas as Províncias do Instituto, provenientes de 35 países e representando outras tantas nacionalidades, convergem de todos os pontos da cidade para a basílica de São Pedro. Eles vêm para a cerimônia da beatificação de seu pai e fundador, o Venerável Marcelino Champagnat. São 600, designados e sorteados para representar seus coirmãos, nessa grandiosa cerimônia; 600 privilegiados pela sorte ou por suas funções ou ainda por outros motivos que os tornam um tanto confusos por se encontrarem ali, de preferência a outros com igual mérito. Mas enfim, foram designados e vieram. Por esta vez a obediência lhes terá sido muito agradável. Desde a véspera, tem-se a impressão de que há Irmãos Maristas em todos os cantos da Cidade Eterna, porque seu ?rabat? branco sobre a batina preta os identifica de longe e, como dispõem de pouco tempo, aproveitam-no bem para ver os belos monumentos de Roma.

Apressam-se, pois, rumo à basílica, felizes e irradiantes. Não podiam deixar de sê-lo. É para o bem- amado Pai de todos eles essa manifestação, os grandes quadros dependurados na entrada da basílica ou na glória de Bernini, essas decorações suntuosas, no interior de São Pedro; são para ele essas homenagens tributadas no centro da catolicidade. Os peregrinos ocasionais, que vão à basílica São Pedro para participar de uma beatificação, olham-nos cheios de admiração e quase com inveja.

Bulletin de l?Institu n. 160 ? Tome XXI, p. 628

Cronologia da Causa do Fundador, Pe. Marcelino Champagnat

  • 21.07.1888 – 22.12.1891
    Processo ordinário na Diocese de Lião
  • 31.01.1892 – 02.04.1894
    Processo sobre os escritos
  • 20.11.1894 – 11.05.1895
    Processo sobre o culto
  • 12.12.1895
    Aprovação dos escritos
  • 3.07.1897
    Aprovação da validez do Processo no culto
  • 25.05.1896
    Decreto da Introdução da causa
  • 7.04.1897 – 24.07.1899
    Processo apostólico sobre a fama de santidade
  • 1.12.1900
    Aprovação do Processo Apostólico sobre a fama de santidade com decreto
  • 7.04.1897 ? 11.01.1902
    Processo apostólico sobre as virtudes
  • 12.12.1903
    Decreto da Aprovação do Processo Apostólico sobre as virtudes.
    Apresentação da Positio super virtutibus
  • 3.05.1910
    Congregação antepreparatória
  • 12.03.1912
    Congregação preparatória
  • 22.06.1920
    Congregação Geral
  • 11.07.1920
    Publicação do Decreto sobre a Heroicidade das Virtudes pelo Papa Bento XV
  • 10.1939
    Cura da Sra. Georgina Grondin de um tumor maligno em Waterville (Maine, Estados Unidos).
  • 12.11.1941
    Cura do Senhor João Ranaivo, de miningite cerebroespinal, em Antsirabé (Madagascar).
  • 3.05.1955
    Decreto que reconhece as curas da Sra. Georgina Grondin e do Senhor João Ranaivo como milagrosas.
  • 29.05.1955
    O Papa Pio XII proclamou Marcelino Champagnat como Beato na Basílica de São Pedro.
  • 21.06.1957
    A Sagrada Congregação dos Ritos concede o Decretum reassumptionis causae
  • 07.1976
    Cura do Irmão Heriberto Weber Nellessen, em Montevideo (Uruguai)
  • 26.06.1997
    Os peritos médicos membros da Consulta consideram que a doença do Ir. Heriberto era uma ?Grave infecção pulmonar caracterizada por dessiminação nodular bilateral com uma marcada insuficiência respiratória no indivíduo com gravíssima repercussão do estado geral?. E que a cura foi ?muito rápida, completa, duradoira e inexplicável?.
  • 20.02.1998
    Os consultores teólogos no seu Congresso reconhecem a preternaturalidade da cura atribuindo-a à intercessão do Beato Marcelino Champagnat
  • 2.06.1998
    A Congregação ordinária dos Eminentíssimos Cardeais e dos Excelentíssimos Bispos, conclui, por unanimidade, que se trata de um autêntico milagre.
  • 3.07.1998
    O Papa João Paulo II promulga o decreto sobre o milagre.
  • 9.01.1999
    O Papa João Paulo II convoca o Consistório ordinário que se celebra no Palácio Apostólico Vaticano, para o voto sobre algumas causas de Canonização: Marcelino José Bento Champagnat, João Calabria e Agostinha Livia.
  • 18.04.1999
    Papa João Paulo II canoniza Marcelino Champagnat, João Calábria e Agostinha Livia Pietrantoni.

Marcellin 2010_05_28_Marcelino1955 Marcellin Champagnat Champagnat Marcellin
ANTERIOR

Afiliação ao Instituto Marista...

PRÓXIMO

Da sala capitular à sala comunitária...