8 de junho de 2010 CASA GERAL

A minha primeira viagem Ad Gentes

De 2 a 28 de maio de 2010, fiz a minha primeira viagem na qualidade de Coordenador do Projeto AD GENTES. Visitei pessoas relacionadas com esse projeto, nas Filipinas e na Tailândia. Nas Filipinas, em Manila, na propriedade do MAPAC encontrava-se o grupo que, dia 15 de junho, começará a formação missionária de 3 meses em Davao, na ilha de Mindanao, no sul das Filipinas. Essa formação é para ser feita em ambiente de discernimento. No fim desse estágio, cada participante, deve encontrar o caminho que o Senhor lhe reserva no futuro da missão AD GENTES.

Esse grupo ?Davao 2010? constituído por 7 leigos e 5 Irmãos já se encontrava em Manila, desde outubro de 2009, aprendendo o inglês. É fundamental ter conhecimentos básicos de Inglês porque essa é a língua veicular dentro do Setor AD GENTES. Como em todo o grupo, há os que aprendem mais e há os que aprendem menos. Salvo raras excepções todos se sentiam confiantes na capacidade que já têm de dominar o inglês, o suficiente para seguir bem o Curso de Davao, todo dado em Inglês. Isso não impede que o Conselho geral, depois das avaliações feitas sobre este e outros cursos, tente encontrar os meios para organizar o curso da melhor maneira e para que seja o mais efetivo possível. Todos têm a ganhar se vão para Davao com uma boa preparação em inglês.

Este grupo apresenta pois as primeiras novidades em relação aos anteriores: pela primeira vez leigos e pela primeira vez também um casal, em Missão AD GENTES. Isso obrigou os responsáveis pela missão AD GENTES a procurar novas casas para dar o melhor acolhimento possível a essa situação. Deixamos a antiga casa das Irmãs para escolhermos várias casas para acolher o novo grupo. Economicamente é muito melhor o novo arranjo: pagaremos um preço muito mais módico pelo novo aluguel das casas. Mas mais importante do que a questão financeira é a possibilidade que dá essa nova situação, na distribuição dos candidatos: as mulheres ficarão numa casa; o casal noutra casa e os Irmãos com um leigo, numa propriedade onde há três casas, o que significa três pequenas comunidades. Essa situação resolve só por si muitos problemas que se encontraram, quando todos viviam na mesma casa, sem espaços próprios. Agradecemos a todos os que tomaram tempo em Davao, procurando casas para que esta nova situação fosse possível.

Pude entrevistar todos os Irmãos e Leigos e fiquei muito satisfeito. Tomados individualmente, todos têm grandes qualidades e podem ser ótimos construtores dos projetos que vão nascendo nas novas comunidades AD GENTES. Terão que fazer talvez um esforço próprio para encontrarem um ritmo comunitário que seja adequado a Irmãos e Leigos ao mesmo tempo. Isso nem sempre é fácil. Contudo a experiência desse grupo pode iluminar decisões que podem ser tomadas para novos grupos com Leigos e Irmãos. À parte desse princípio de organização, que deve ser sempre estudado e vivido com muita flexibilidade, uma ideia foi sublinhada por todos: não concebemos o futuro da missão AD GENTES sem leigos e leigas, missionários maristas. Juntamente com os Irmãos eles e elas tornam-se parte importante na missão, não apenas como colaboradores, mas como pessoas vivendo o mesmo carisma marista, como casados ou como solteiros. O chamado de Deus é para todos, diziam alguns. E acrescentavam: vim para Davao para responder à minha vocação de marista.

Eles irão apresentar-se pessoalmente, na nossa página web, num futuro próximo, visto que estão prestes a começar o curso de Davao. É bom que o Instituto conheça esses homens e essas mulheres que se lançam nessa aventura da missão AD GENTES. O curso de Davao ajudá-los-á a discernir o passo seguinte: partir como Abraão numa atitude de obediência de fé, para o país que o Senhor lhes indicar.

_________
Ir. Teófilo Minga
Coordenador do Projeto AD GENTES

ANTERIOR

A Missão Marista na Educação Superior...

PRÓXIMO

O espírito de liderança do estudante marist...