15 de outubro de 2007 ITáLIA

Assistente geral, durante o mandato do Irmão Charles Raphaël

O Irmão Gildo Cotta faleceu, em Carmagnola, no dia 30 de setembro de 2007, na idade de 93 anos. O Ir. Paolo Penna escreveu sobre ele: ?Foste embora, na ponta dos pés, discreto e sem perturbar, como viveste. Tua amabilidade e tua cortesia, tão discretas, marcaram nossas vidas e a de quantos te conheceram e admiraram. Tua disponibilidade permitiu ao Senhor operar em ti grandes coisas?.

Gildo nasceu em Apricale (Imperia), no dia 19 de novembro de l913, de Ângelo e Stella Maria. Depois dos anos de juvenato, em Mondovi, foi para Ventimiglia como postulante, em 1928. Inicia o noviciado, em julho de 1929, e no ano seguinte, pronuncia os primeiros votos, em 16 de julho, festa de N. S.ª do Carmo. Consagra-se, definitivamente, ao Senhor com a profissão perpétua, em Ventimiglia, no dia 26 de julho de 1935, e emite o voto de estabilidade, em 1946.

Em Roma, no ano de 1931, inicia sua vida ativa. No ano seguinte, volta a Ventimiglia para completar sua formação, obtendo a habilitação para o ensino primário. Em 1933, está entre os primeiros irmãos que fundam em Giuliano. Aí fica até 1936, quando regressa a Roma, como professor. Foram tempos de muito trabalho e estudo. Em 1940, graduou-se em Letras, e em 1942 conseguiu a habilitação para ensinar Letras, Filosofia e Pedagogia.

Em 1943, foi nomeado diretor de Mondovi e, três anos depois, assumiu esse cargo, em Roma. No ano letivo de 1949-50, fez o segundo noviciado, em Saint Quentin. Daí foi para Ventimiglia como diretor do Escolasticado, por dois anos. Em 1952, foi designado Provincial da Itália. Seis anos mais tarde, retornou ao colégio San Leone Magno como professor; foi por pouco tempo, sendo eleito Assistente geral do Irmão Charles Raphaël, em 1959. Durante algum tempo, somou essa responsabilidade com a direção do Colégio Internacional ?Jesus Magister?.

Concluído esse período, recebeu um ano sabático e depois, foi encarregado dos irmãos universitários. No entanto, nesse ano, o Conselho geral pediu-lhe um delicado serviço em favor do Instituto, nomeando-o ?ex-officio? Provincial do Líbano. Uma vez mais, aceitou sem condições.

Em 1971, regressou definitivamente à Província da Itália e foi destinado a Roma para ensinar História, Filosofia e Religião. Permaneceu aí até 1991, sendo Diretor do Liceo, representante no AGESC e na FIDAE, e nos últimos anos, superior da comunidade.

Em l991 foi transferido para Carmagnola como Superior, até l997. De l997 até 2004 presidiu também a ?Inmobiliaria Alpestre?.

Muita vezes dizia que era feliz com a homonímia entre o nome de sua mãe Stella Maria com a invocação da Virgem, ?Stella Maris?. Que essa vizinhança tão íntima o acompanhe até os misericordiosos braços do Pai. O Senhor, a Boa Mãe, São Marcelino e toda a família marista do céu o acolham, na eterna morada!

ANTERIOR

Presença marista na Algéria...

PRÓXIMO

Água da Rocha...