9 de setembro de 2009 CASA GERAL

Irmãos e leigos: Agora é o momento!

O dia de hoje começou com grande expectativa ante as palavras que o Ir. Seán Sammon, Superior-geral, iria dirigir ao Capítulo. O Ir. John Neist Graham, a quem coube coordenar a sessão, enquanto membro da Mesa provisória, contou uma história em que apresentou os contadores de histórias como sendo aqueles que elaboram uma cultura imperecível e alimentadora da esperança. Valendo-se da comparação, apresentou o Irmão Seán como um ?bom contador de histórias?.

Palavras do Ir. Seán

O Irmão Seán discorreu sobre cinco grandes aspectos (disponível aqui em inglês). Num primeiro momento, descreveu o contexto geral em que foram vividos os oito anos que nos separam do último Capítulo. Em seguida, refletiu sobre a vida consagrada e a formação, sem dúvida a parte mais extensa e substancial de sua intervenção. Na terceira parte, referiu-se à internacionalidade do Instituto. O quarto parágrafo considerou o governo e a animação dos últimos oito anos. Finalmente, dedicou especial atenção aos leigos maristas. Antes de concluir, o Irmão Seán agradeceu seus colaboradores: ?Se houve acertos, no governo e na animação, devemo-los a eles. Se ocorreram falhas, assumo a responsabilidade pelas mesmas?. Um forte aplauso apoiou suas palavras. O texto integral do pronunciamento poderá ser lido, nesta página, tão logo esteja traduzido nas quatro línguas oficiais do Instituto.

No término da sessão, havia comentários como estes: ? Lembrou-nos que devemos assumir nosso lugar próprio na Igreja, enquanto pessoas consagradas?. O Ir. Seán sublinhou muito claramente que ?agora é o momento de, leigos e irmãos assumirem seu lugar em favor da vida e da missão marista?. ?Temos uma missão urgente; e esta é a sua hora?. ?Alimentou minha esperança, ao convidar a sonhar e a construir o futuro que desejamos viver como maristas?. ?Foi um discurso corajoso e cheio de realismo. Assinalou os aspectos positivos, colocando ênfase nos desafios que o Instituto tem pela frente?. Ficou claro que a presença dos leigos maristas não depende dos irmãos; eles precisam assumir sua responsabilidade?. ?É preciso elaborar melhor nosso programa de formação?. ?O Ir. Seán me impressionou profundamente pela clareza em relação ao caminho percorrido, pela consciência da realidade presente e pelo grande discernimento revelado sobre os limites e o potencial criativo do Instituto?.

Plano geral do Capítulo

A segunda parte da manhã e toda a tarde foram dedicadas a compreender o Plano geral do Capítulo que se concretiza através de seus objetivos e de sua dinâmica. Quatro critérios gerais estão orientando a reflexão inicial do Capítulo: a busca do consenso mais do que a imposição de uma maioria; fomentar o trabalho partilhado na assembleia mais do que em comissões especializadas, para favorecer o diálogo na sala capitular; suscitar um clima de oração e de discernimento que propicie a escuta da Palavra, diariamente ou num dia inteiro de retiro, e propiciar a convivência além do trabalho capitular, mediante tempos e espaços para a celebração, dias de passeio e de convivência.

Com esses critérios o Capítulo dar-se-á o método apropriado para descobrir a chamada central de Deus aos irmãos e leigos maristas de hoje, com as consequências que dela derivam. Realizadas essas tarefas, proceder-se-á à escolha das pessoas que vão dirigir os trabalhos do Capítulo, isto é, a Comissão central.

A segunda fase capitular deverá ser caracterizada pelo aprofundamento da chamada de Deus ao Instituto, para determinar-lhe as consequências e as prioridades, escolher as pistas de governo e a eleição do Irmão Superior-geral e de seu Vigário-geral para animarem a concretização dessa chamada, na vida do Instituto.

Para descobrir, juntos, o que Deus deseja para os Maristas de hoje, serão usados dois recursos que implicaram todo o Instituto: as Cartas regionais e o Relatório do Conselho-geral. No momento, será considerada a alocução do Ir. Superior-geral ao Capítulo.

Outra tarefa a definir no Plano é o modo de transmitir as decisões do Capítulo a todo o Instituto. Isso vai requerer a seleção do tipo de transmissão mais eficaz e previsão dos recursos necessários.

O Capítulo iniciou seus trabalhos em clima de serenidade, alegria e convivência fraterna. Os primeiros passos têm um caráter técnico e organizativo, fundamento para que a dinâmica a seguir seja eficiente.

ANTERIOR

Um dia com o livro Água da Rocha...

PRÓXIMO

Uma missa sobre o mundo marista...