Carta a Marcelino

Pe. Jean-François Madinier

1836-11-04

Saint Didier-sur-Chalaronne está na diocese de Belley, onde era bispo D. Alexandre Devie. Aproveitando a generosidade de uma benfeitora, a Condessa de La Poype, que pagou os gastos de instalação da escola, o Pe. Madinier, pároco, solicitou Irmãos ao Pe. Champagnat. Nesta carta vemos o fervor deste sacerdote, suscitando o entusiasmo e a participação de todos os paroquianos na preparação da mobília da escola, do pátio e da horta. Numa segunda carta ao Pe. Champagnat, sempre no mesmo estilo entusiasmado (Carta nº 100), ele pôde finalmente anunciar que a casa estava terminada e que os Irmãos já podiam ser acolhidos. A escola foi aberta em dezembro de 1836. Segundo os Anais do Fr. Avit, o Pe. Madinier ?anunciava com tanto amor e entusiasmo a vinda dos Irmãos, que alguns paroquianos imaginavam que fossem anjos?.

St. Didier-sur-Chalaronne, 4 de novembro de 1836.

Senhor:

O prospecto que me enviastes só me chegou às mãos hoje, infelizmente. Está longe de encerrar tudo o que teríamos desejado. Consoante a opinião do sr. bispo, eu me havia proposto mandar fazer gratuitamente toda a mobília dos Irmãos e também as reformas da horta. Fiz a proposta do púlpito no dia de Todos os Santos. Tenho mais ofertas de jornadas de trabalho do que o necessário para o feitio de toda a roupa e da mobília; tenho mais de cinqüenta jornadas prometidas para trabalhar na horta. Todas as manhãs, após a primeira missa, inscrevo oito ou dez.

Cumpre, pois, que me seja enviada relação pormenorizada de quanto seja neces- sário para a mobília de três Irmãos, que nos enviareis pelo fim do mês. Importa, simultane- amente, que me mandeis as dimensões dos diferentes objetos, sem esquecer, para certos itens, que os Irmãos, mais tarde, serão cinco. Seja tudo expresso com o máximo de pormenores. Indicai o número e as dimensões dos lençóis, das camisas, dos lenços etc. A qualidade dos tecidos. Indicai as dimensões das camas, o número e qualidade das cobertas, das cortinas etc. Indicai as dimensões dos bancos, das mesas, largura, altura, espessura etc. Indicai as dimensões e a forma das mesas dos Irmãos, a menos que prefiram mandar fazê-las quando chegarem. Enfim, nada esqueçais, para que tudo esteja pronto na chegada dos vossos Irmãos. Por favor, enviai-me diretamente esses informes, para que não me sejam comunicados muito tarde, como ocorreu com o prospecto. Dirigi o vosso relato ao Pe. Madinier, pároco de St. Didier-sur-Chalaronne, por Thoissey, Ain.

Começamos hoje a sala de visitas que pedistes, com porta que dá para o pátio. Descobrimos meio de vos fazer um refeitório de vinte e nove pés de comprimento por doze de largura e de abrir uma porta na lavanderia para ter acesso à lenha e à adega, sem sair de casa.

O sr. bispo conta plenamente com cinco Irmãos para o ano que vem. Pudestes julgar por vós próprio a importância desta escola. Esperamos que nos enviareis Irmãos que, pela sua piedade e instrução, farão cair um dia a oposição que se manifestou no Conselho municipal de Thoissey. Daquele de St. Didier nada tendes que temer, que é todo por vós. A morte acaba de tirar os dois únicos membros que teriam podido colocar algum entrave.

Tenho a honra de ser, senhor, o vosso muito humilde e de todo dedicado servidor, MADINIER, pároco.

Edição: S. Marcelino Champagnat: Cartas recebidas. Ivo Strobino e Virgílio Balestro (org.) Ed. Champagnat, 2002

fonte: AFM 129.24

ANTERIOR

Carta a Marcelino...

PRÓXIMO

Carta a Marcelino...