28 de outubro de 2008 ARGENTINA

Os jovens compartilham identidade e diversidade

A Villa San José reencontrou, mais uma vez, o ambiente dinâmico e alegre que teve, em épocas passadas, com os juniores e escolásticos. Os jovens procedentes das províncias do Brasil e do Cone Sul voltaram a preencher de vida estes lugares destinados à formação, e que os irmãos criaram junto ao santuário de Luján.

 

 

Região

Província

País

Irmãos

Homens

Mulheres

Total

Brasil

Rio Grande do Sul

Brasil

3

2

2

7

 

Brasil Centro Sul

Brasil

1

4

2

7

 

Brasil Centro Norte

Brasil

1

5

1

7

Cone Sul

Cruzeiro do Sul

Argentina

2

4

3

9

 

Cruzeiro do Sul

Uruguai

 

3

2

5

 

Cruzeiro do Sul

Paraguai

1

2

4

7

 

Santa Maria dos Andes

Bolívia

1

2

2

5

 

Santa Maria de los Andes

Chile

1

4

1

6

 

Santa Maria dos Andes

Peru

 

2

2

4

Conselho geral

 

 

8

 

 

8

Administração geral

 

 

1

 

 

1

Apoio

 

 

 

3

1

4

Total

5

7

19

31

20

70

O grupo é composto de jovens e irmãos, procedentes de cinco províncias maristas espalhadas por sete países. O início do encontro foi marcado pelo registro e apresentação da identificação pessoal dos participantes. Durante a primeira jornada de convivência, cada um manifestou o seu próprio nome, a língua natal, o lugar de procedência, as afinidades pessoais e os pontos que tinha em comum com os demais. Aos poucos, cada um começou a compartilhar as atividades que realizava em seus lugares de origem, a maneira de participação na obra marista e o tipo de colaboração que realizava com os irmãos. Cada um acrescentava as peculiaridades e características do próprio país, os preparativos para a viagem, mostrando também os cantos que exprimiam mais profundamente os próprios sentimentos, além de demonstrar o interesse pelas apresentações dos demais participantes. A partir de uma primeira fonte de conhecimento individual, passou-se à descoberta dos valores pertencentes a cada comunidade. Cada pequeno grupo trazia consigo a identidade do país que representava, seus costumes, seus valores, sua idiosincrasia, sua bandeira, suas tradições e seu folclore. Por detrás do nome marista das províncias, fazia-se presente a vida que é compartilhada pelos irmãos e pelos leigos jovens, através das obras educativas, sociais e apostólicas. Reunindo todas essas colaborações, à medida que eram apresentadas podia-se ver a alma comum do grupo, manifestada também através de uma plena comunhão de interesses, de ideais e de projetos para o futuro. A cada hora se via crescer esta família, cujos membros vinham das regiões amazônicas, do planalto andino, das costas do Oceano Pacífico, dos altos dos Andes, dos campos ou da selva. O irmão Superior geral e seu Conselho representam o centro de comunhão desta família espalhada pelo mundo inteiro.

Um primeiro olhar lançado sobre esta paisagem multicolorida, integrada por tantos rostos jovens, representando estas bonitas regiões do mundo, nos permite destacar alguns traços mais cartacterísticos. Dentre os jovens que vieram até Luján, estão catequistas, coordenadores da pastoral social e universitária, aspirantes a se tornarem irmãos maristas, voluntários que realizam trabalhos em comunidades indígenas, etc. Uma riqueza que nos convida a termos esperança. Um grupo de pessoas maduras, colaboradoras, que se entregaram ao trabalho que abraçaram. São pessoas festivas e alegres.

A dinâmica interna do encontro que se realizará durante estes dias se propõe como uma metáfora de um caminho a ser percorrido: ?Ao longo do caminho nos encontramos?, partindo do altiplano onde estamos reunidos e ao longo da história marista. Fizemos uma parada na caminhada quotidiana de nossas vida e de nossa história coletiva e nos reunimos junto ao nosso irmão Superior geral e seu Conselho, para analisar em que direção estão seguindo nossos pés. Subindo em um ponto mais elevado à margem do caminho para olhar na direção do passado, mas principalmente para mirar o futuro. Um momento para deter os nossso passos, para conhecer os companheiros que fazem o mesmo caminho marista que nós fazemos, através das estradas do mundo. Conviver e compartilhar.

Uma segunda dimensão do trabalho dos jovens junto ao irmão Superior geral e de seu Conselho foi a observação das diversas realidades que encontramos ao longo do nosso caminho. Nesse caminho, onde encontramos muitas pessoas, várias crianças e jovens que querem compartilhar sua história conosco, devemos nos perguntar: quem são? o que acontece em suas vidas? quais são seus valores e como podemos caminhar juntos? A observação e análise da realidade que nos circunda fará parte de todos os trabalhos realizados durante estes dias.

Finalmente, devemos olhar para o dia de amanhã, ao futuro que certamente deveremos viver. Para esta nova etapa, os jovens e os irmãos podem contar com ?Maria, a companheira de caminhada?.

Com estes pontos principais do programa, iremos acompanhar este grupo privilegiado de jovens, procurando escutar a palavra de vida que mexe com os corações. Procuraremos compartilhar tudo isso com nossos leitores nos próximos dias.
ANTERIOR

Estudo do Patrimônio Espiritual Marista na P...

PRÓXIMO

Amar, crer e trabalhar...