5 de julho de 2011 CASA GERAL

Programação de novos projetos

Os membros da Comissão do Patrimônio Espiritual Marista reuniram-se, em Roma, de 10 a 24 de junho de 2011, com um interessante programa de trabalho. Condividiram informações sobre as atividades realizadas nas várias regiões do Instituto, relativas ao Patrimônio, e programaram as próximas atividades.

A programação centrou-se, fundamentalmente, na preparação de uma edição da História do Instituto, que poderia ser publicada em torno do bicentenário da fundação do Instituto, em 2017.

O Ir. Juan Moral, para ajudar os historiadores, forneceu uma bibliografia de referência, buscada entre os documentos do Arquivo de Roma. Por sua vez o Ir. Aureliano Brambila elaborou uma pauta metodológica para compor a história marista do México. Essa pauta pode favorecer trabalhos similares em outras Províncias. A proposta será publicada nos Cadernos Maristas nº 30. Por sua vez, o Ir. André Lanfrey apresentou o esquema de uma história da França marista, das origens até 1907.

Entre as programações, foi traçado o conteúdo dos próximos números 30 e 31 dos Cadernos Maristas. A publicação de Origines des Frères Maristes, que acaba de aparecer em três volumes, onde se reproduzem todos os documentos relativos a Champagnat, lembra a importância de começar a publicar os cadernos de apontamentos do Irmão Francisco e do Ir. João Batista. O lançamento da Chronologie Mariste, inaugurando a coleção FMS Studia, recordou também a necessidade de definir a prioridade e o ritmo de publicação dos números sucessivos da coleção.

O dia 22 de junho foi dedicado a um encontro dos quatro ramos maristas, na Casa-geral dos Irmãos. Nesse encontro participaram, além dos membros da Comissão do Patrimônio e de alguns Irmãos do Conselho-geral, o Pe. P. Bernard Bourtot sm e as Irmãs Jane Frances o'Corroll sm, Bridget Brady, sm Pauline Gresham, smsm e Margaret Ryan, smsm. O dia de estudos foi dedicado à personalidade de Pompallier, ator importante e contestado das origens maristas e, ao mesmo tempo, fundador da Igreja na Nova Zelândia. Num primeiro momento foi evocada a partida dos primeiros membros da Sociedade de Maria para a Oceania e a bênção, por Pompallier, da capela de l’Hermitage, dois fatos ocorridos em 1936. A segunda parte foi dedicada a uma reflexão sobre a história dos diversos ramos, entre o fim do Concílio Vaticano II e nossos dias. O dia foi concluído com a projeção do vídeo sobre Monsenhor Pompallier (55’), realizado pela televisão francesa, por ocasião da transferência de seus restos mortais para Nova Zelândia.

Nesse encontro, a Comissão pensou também sobre seu próprio futuro. Essa sessão foi a última da Comissão constituída pelo Conselho-geral anterior; os contratos de seus membros terminam em 2011-2012. O trabalho sobre o Patrimônio do Instituto recebeu um grande impulso com a nomeação de um Comitê integrado por três Conselheiros-gerais e de uma Comissão de 6 membros, apoiados por um secretário, reunindo-se anualmente, em Roma. Atualmente, a Comissão do Patrimônio é composta pelos Irmãos André Lanfrey, Michael Green, Aureliano Brambila, Ivo Strobino, Jaume Parés, Robert Théo, Henri Réocreux (Secretário). Por outra parte teremos que harmonizar as novas orientações emanadas do Conselho geral, fazendo depender a Comissão do Patrimônio Espiritual do Secretariado Irmãos hoje, cujo diretor é o Irmão César Rojas.

Em outro nível, ponderou-se sobre a necessidade de uma coordenação entre a formação, a pesquisa e o novo projeto de formação universitária “on line’, com sede na Universidade Marista de Curitiba, no Brasil.

Na missa de despedida, o Irmão Emili Turú, SG, entregou a cada um dos integrantes da Comissão uma imagem da Boa Mãe, agradecendo o “trabalho realizado em profundidade”, com esforço voltado a “cultivar as raízes da árvore do Instituto”. Esse resultado será apreciado apenas “quando forem recolhidos os frutos”.

ANTERIOR

Como trabalhar melhor em equipe...

PRÓXIMO

Solidariedade Marista na Austrália...