27 de outubro de 2022 ITáLIA

Regina Biasibetti: 4 anos a serviço do projeto LaValla200> em Siracusa

Regina Biasibetti, conhecida como Nina, viveu quase 4 anos na comunidade internacional de Siracusa, do projeto LaValla200>. Ela é da Província Brasil Sul-Amazônia e chegou na Itália em novembro de 2018. Voltou para o Brasil em julho passado. Hoje, partilha conosco alguns elementos que mais marcaram a sua experiência.

______________

A partir de experiências breves de voluntariado local e internacional, senti o chamado para fazer parte de uma experiência mais longa, de uma missão, junto aos mais vulneráveis. Queria dedicar 100% do meu tempo para isso, queria viver em uma comunidade marista e compartilhar a missão com os demais membros dela. Era uma inquietude, uma chama que ardia muito forte. Como leiga, vi no projeto Lavalla200 essa possibilidade.

A vida comunitária é um dos pontos centrais e a esse se somam interculturalidade e internacionalidade. Vivemos Irmãos e Leigos/as juntos sob o mesmo teto. Foi muito enriquecedor, você aprende demais com a personalidade, com a experiência de vida, com o ponto de vista de cada qual. Outro ponto central é a missão, o fazer e o estar. Ser presença junto às pessoas que necessitam – migrantes, mas não somente. Ser um ponto de referência, seguro e sólido. As pessoas confiavam muito em nós e em nosso trabalho, conseguimos construir muitas pontes, ser farol para tanta gente, sempre mantendo a nossa simplicidade, nosso jeito mariano de ser.

As palavras-chave que marcaram essa minha experiência na Itália são: cuidado, apostolado, cultura, presença, comunhão, dignidade e acolhida. As aprendizagens que destacaria são o respeito às diferenças, o não-julgar as escolhas e opções de cada pessoa. Cada coração traz um universo, um mar de vivências, sentimentos, razões.

Os eventos mais importantes sempre foram as partilhas das histórias de vida, do que levou tanta gente a deixar suas casas, famílias, países de origem para migrar, para começar do zero em outras terras. A história de cada um/a é valiosa, rica, sagrada. Tão bonito e precioso foi para mim fazer parte de um pedacinho dessas jornadas.

Esses anos significaram encontrar-me com diversas faces de Jesus. Ele falava outras línguas, tinha outro tom de pele, vinha de locais pobres e perigosos, de guerras, de famílias numerosas. Lutou muito para estar em uma terra mais segura e próspera, tinha muita esperança. O tempo de missão em Siracusa me proporcionou aprofundar o aspecto da presença na vida das pessoas, o ESTAR. Foi transformador.

Entre os desafios que vive durante esse período, destacaria:

  • Língua: conseguir entender, compreender, falar, escrever, me comunicar. As palavras têm um grande peso e saber se expressar é muito importante, sobretudo porque tínhamos que ajudar outros estrangeiros. Dominar a língua era essencial.
  • Viver comunitariamente: respeitando as diferenças de cultura, de opinião, de personalidade. Conseguir tomar uma decisão comunitária ou de missão com tantos pontos de vista por vezes era muito difícil e complicado, exigia paciência, reflexão, discernimento, equilíbrio.
  • Encontrar o seu lugar: você chega na sua nova casa, estuda e aprende a língua, sabe se comunicar e o próximo passo é agir, conhecer a realidade, ver possibilidades para oferecer os seus dons ou o que pode aprender/aprimorar para o apostolado.
  • Solidão: você sente falta de amigos/as e família, de afeto, de carinho. Não é um sentimento constante pois você encontra tantas pessoas que são também presença, ombro amigo, ouvidos… mas com certeza a saudade é uma companheira de caminho.

Depois do percurso feito, percebo que dar atenção ao que o coração diz é fundamental. Se você tem uma inquietude, sente lá dentro uma vontade pulsante de partir, de ajudar, de se doar, não seja indiferente! Escute-se! Tem tanta gente precisando de ajuda, tantos projetos, tantos espaços, tantas possibilidades… A messe é tão grande e nós somos capazes de tantas coisas!


Se quiser dedicar um significativo tempo de sua vida nas Comunidades Lavalla200>, contate o seu provincial ou escreva para cmi@fms.it.

Saiba mais sobre LaValla200> clicando nesse link.

ANTERIOR

Projeto interprovincial na Amazônia oferece ...

PRÓXIMO

28 de outubro: memória do encontro de Champa...