17 de fevereiro de 2011 CASA GERAL

Seminário sobre

Entre os dias 7 e 12 de fevereiro de 2011, foi celebrado o seminário sobre ?Teologia da Vida Consagrada Apostólica?, no Centro de exercícios espirituais da Sociedade de Santa Teresa de Jesus, em Roma. Esse seminário foi promovido pelas duas Uniões de Superiores Gerais (USG) e Superioras Gerais (UISG). A convite das respectivas Uniões, 15 Superiores e 15 Superioras gerais e trinta teólogos (15 homens e 15 mulheres) participaram do evento. O Irmão Emili Turú, SG, foi um dos participantes do seminário e teve papel destacado como moderador de várias intervenções.

Os presidentes das duas Uniões, o Pe. Pascual Chávez e a Irmã Mary Lou Wirtz, expuseram, brevemente, os objetivos básicos, na sessão de abertura do seminário:

– Promover uma reflexão séria sobre a situação da teologia da vida religiosa apostólica, hoje;

– Identificar as perguntas e os desafios que a situação atual do mundo e da Igreja fazem a essa teologia;

– Promover a renovação dos estudos e pesquisas nesse campo.

Particularmente significativa foi a leitura das expectativas, previamente expressas pelos participantes, em vista desse seminário teológico: abordar a missão profética, evangélica e carismática da vida religiosa apostólica; oferecer ideias criativas para a atualização dessa teologia; destacar os grandes temas e os desafios futuros da vida religiosa apostólica, tratando ao mesmo tempo de ?re-imaginá-la? ?com novos paradigmas, novas fronteiras e uma nova visão do mundo no qual o Espírito nos conduz para o futuro?.

Em perfeita harmonia com esses objetivos, os organizadores do seminário não somente buscaram oferecer uma oportunidade para partilhar informação útil e interessante, mas ainda de criar um ?laboratório? com pessoas apaixonadas, competentes e interessadas no tema específico da teologia da vida religiosa apostólica.

Da terça à sexta-feira, os trabalhos começaram com uma informação de fundo sobre a temática à qual convergiam todas as atividades do dia: comunicações, trabalhos de grupo e assembleia geral.

O Superior geral dos Verbitas – Pe. Antonio Pernia – abriu a série de intervenções do seminário, falando sobre ?Oportunidades e desafios que o mundo e a Igreja de hoje oferecem e propõem à teologia da vida consagrada?. Com essa conferência o seminário teológico entrou no coração da reflexão profunda sobre a vida consagrada apostólica. Entre os vários desafios, o expositor sublinhou especialmente a crise da vida consagrada, mais evidente na Europa Ocidental e na América do Norte, causada por um mundo cada vez mais globalizado.

As principais oportunidades que a situação atual pode oferecer à vida religiosa são, sobretudo, a interculturalidade, a cooperação intercongregacional e a crescente presença dos leigos, cada vez mais preparados e motivados.

Mas, há muitas perguntas à espera de respostas. As primeiras respostas a essas perguntas, tanto para desafios como para oportunidades, chegaram através de cinco comunicações sobre a atual situação da vida consagrada na África (Dom Faustin Ambassa), na América Latina (Ir. Maricarmen Bracaonte), na Ásia (Ir. Maria Kallupurakkathu Sujita), na França (Fr. André-Pierre Gauthier) e Oceania (Ir Susan Smith). Todos esses temas foram analisados, posteriormente, nos grupos linguísticos.

A segunda intervenção esteve a cargo da Irmã Maria Maher, SG das Irmãs de Notre Dame, com o tema: ?Chamados e enviados – reflexões sobre uma teologia da vida religiosa apostólica, hoje?.

A intervenção complexa e difícil de Maria Maher, foi completada posteriormente com três comunicações curtas, confiadas ao ex-superior geral da ordem dos dominicanos, o Pe. Carlos Azpiroz Costa (Leitura teológica das principais formas históricas da vida consagrada), à teóloga estadunidense Sandra Schneider (Radicalidade e o significado da vida consagrada), e ao teólogo salesiano Juan Bartolomé (Base teológica da vida religiosa).
Sobre o conteúdo de todas essas intervenções organizou-se, durante a tarde, o trabalho em grupos, com a participação do novo secretário da Congregação Vaticana para Vida Consagrada, Dom Joseph Tobin.

A terceira sessão de trabalho iniciou com um relatório do Padre Camilo Maccise, ex-superior geral dos Carmelitas Descalços e ex-presidente da USG. Impossibilitado de participar nos trabalhos por causa da saúde debilitada, seu trabalho foi apresentado pelo coirmão Padre Miguel Márquez, provincial espanhol da Província carmelita de Castela.

Ao Pe. Maccise fora pedido, em consideração de sua competência, que falasse das conquistas e das questões relativas ao fundamento e desenvolvimento histórico da vida consagrada. Segundo ele, as conquistas mais importantes da vida religiosa seriam a superação da dicotomia ?ação-contemplação?, a evangelização e o testemunho de Deus na história, a única missão da Igreja, a dimensão apostólica da vida fraterna e dos votos religiosos, a opção preferencial pelos pobres como opção evangélica dentro da missão apostólica.

Os desafios, no entanto, não menos numerosos, são o compromisso com a justiça e com a solidariedade, o compromisso autêntico e evangélico na ?política prática?, a presença nos lugares avançados e nos novos areópagos da missão (deserto, subúrbios, fronteiras), a inculturação da vida consagrada apostólica capaz de conciliar a unidade com a diversidade, partilhar o carisma com os leigos, o aspecto teológico da intercongregacionalidade, a partir da clara identidade carismática de cada Instituto religioso.

Três comunicações foram a contribuição final com que se concluíram os trabalhos da manhã: a da teóloga francesa Sylvie Robert (O lugar dos três votos na compreensão teológica da vida religiosa), a do marianista José M. Arnaiz, ex-secretário geral da USG (A vida consagrada na eclesiologia da comunhão apostólica), e por último, a do capuchinho Paolo Martinelli, diretor do Instituto de Espiritualidade no ?Antonianum? (Uma reflexão teológica sobre a pessoa consagrada de vida apostólica). Tanto a relação do Pe. Maccise como as três comunicações mencionadas deram motivo para um rico debate entre os participantes, em pequenos grupos e na assembleia geral.

O quarto e último dia de trabalho do seminário iniciou a sessão da manhã com uma exposição da teóloga brasileira, religiosa paulina, Vera Ivanise Bombonatto. Apresentou uma ampla reflexão sobre as novas experiências da vida religiosa apostólica na Igreja, a partir da realidade do Brasil, onde, atualmente se contabilizam em torno de 500. Trata-se, disse, de um fenômeno multifacetado, complexo e poliédrico que torna quase impossível uma análise completa.

A intervenção de Vera Bombonatto assumiu um perfil bem mais concreto com a apresentação de algumas ?novas comunidades?. Essa exposição se completou com a apresentação da ?Sociedade europeia missionária em Palestrina?, pelo ex-ministro geral OFM, Giacomo Bini, da qual é fundador e diretor, há quatro anos. Vê-a como ?uma nova forma nascida dentro de um Instituto de vida consagrada apostólica?. Essa instituição está promovendo o surgimento das primeiras vocações franciscanas.

Diferente é a situação da franciscana Ilia Delio Osf que, nos EEUU e há vários anos, com uma coirmã deu vida nova a uma comunidade de ?vida evangélica franciscana?, sem renovar as antigas formas de vida religiosa, mas procurando estar presente no mundo como ?mulheres centradas no Evangelho?. Por sua vez, a Irmã Suzanne Phillips se limitou, simplesmente, a falar da ?novidade? da vida consagrada na Austrália, nos Institutos existentes.

No dia 12 de fevereiro de 2011, o seminário encerrou com uma celebração eucarística presidida pelo novo secretário da Congregação para a Vida Consagrada, o bispo Dom J. Tobin, até há pouco, superior geral dos Redentoristas e vice-presidente da USG.

As duas Uniões promotoras do seminário (USG e UISG), antes de encerrarem o seminário, não previram nenhuma declaração final; apenas foram indicadas, simplesmente, algumas linhas de pesquisa teológica a serem assumidas de modo responsável e pessoal por todos os participantes. De sua parte, a USG continuará a aprofundar os temas desse seminário, em suas duas assembléias de 2011, e as Superioras gerais o farão em sua assembleia de 1º de maio.

Esta síntese foi elaborada a partir das informações fornecidas pelo Pe. Ángel Arriola, em ?Vidimus Dominum? – http://vd.pcn.net/it/, um projeto comum da União Internacional de Superioras Gerais (UISG) e da União de Superiores Gerais (USG), onde serão publicados, em breve, os textos das intervenções feitas no seminário.

ANTERIOR

Bem-vindo, Irmão Philip McGee...

PRÓXIMO

Pequena reflexão sobre a morte...