17 de abril de 2021 CASA GERAL

18 de abril: Aniversário da canonização de São Marcelino Champagnat

Um coração sem fronteiras

Video | Fotos em FaceBook

No dia 18 de abril de 1999, São Marcelino Champagnat, fundador do Instituto dos Irmãos Maristas, foi canonizado no Vaticano. “Caros jovens, vindos (…) para manifestar a adesão ao espírito da educação ministrada pelo Padre Champagnat, encorajo-vos a permanecer fiéis no caminho rumo a Deus que ele indicou”, disse o Papa João Paulo II em seu discurso de boas-vindas aos peregrinos de diferentes partes do mundo que vieram a Roma para a canonização do Pe. Champagnat.

A família marista viveu a canonização como um momento especial, sob o lema “Um coração sem Fronteiras”. Para os Maristas de Champagnat, a canonização doPe. Champagnat significou “o reconhecimento oficial da Igreja de que nosso fundador é um homem de Deus, suscitado pelo Espírito Santo, para conduzir à santidade todos os que seguem seus passos, faz com que possa ser proposto como modelo de referência, para a própria vida, como seguro intercessor junto a Deus”, disse, naquela ocasião, o Ir. Gabriele Andreucci, postulador Geral.

O milagre do Pe. Champagnat

Canonização Champagnat

Marcelino subiu aos altares depois de ter tido reconhecido um milagre: a cura inexplicável do Irmão Heriberto Weber. Em 1976 os médicos constataram que tinha “neoplasia primitiva desconhecida, com metástase nos pulmões” e declararam que era um mal incurável.

Naquele momento, ao tomar conhecimento da notícia, os Irmãos e alunos do Uruguai, lugar onde vivia o doente, iniciaram uma novena para pedir a intercessão do Beato Marcelino Champagnat. Quando os devotos terminaram o período de oração, o Irmão Heriberto recuperou suas forças e se sentiu muito melhor. O milagre aconteceu em 26 de julho de 1976: os raios-X e os exames médicos mostraram que a doença tinha desaparecido.

Diante do milagre, o Irmão Agustín Carazo postulou a causa em 1985. Em 26 de junho de 1997, os peritos médicos membros da Consulta consideraram que a doença do Irmão Heriberto era uma “Grave infecção pulmonar caracterizada por disseminação nodular bilateral com uma marcada insuficiência respiratória no indivíduo com gravíssima repercussão do estado geral”, e concluiu que tal modalidade de cura era cientificamente inexplicável.

Um ano depois, em 20 de fevereiro de 1998, a Comissão de Teólogos da Congregação para as Causas dos Santos reconheceu a cura do Irmão Herberto Weber como preternatural e a atribuiu à intercessão do Beato Marcelino Champagnat. A Congregação expressou unanimemente, em 2 de Junho de 1998, que este era um verdadeiro milagre, e foi decretado como tal pelo Papa João Paulo II em 3 de Julho de 1998.

Meses depois, o Pontífice determinou o dia 18 de abril de 1999 como a data da canonização de Marcelino Champagnat.

El Papa Juan Pablo II invita a dar gracias a Dios

“Podemos dar graças pelos numerosos discípulos do Padre Champagnat que viveram com fidelidade a sua missão (…) A todos os fiéis presentes, assim como a todos os Irmãos Maristas do mundo, às pessoas que trabalham com eles no sector educativo e a todos os jovens que beneficiam do seu apostolado, concedo do íntimo do coração a Bênção Apostólica”, disse o Papa, há duas décadas, na Praça de São Pedro, ao canonizar o pai fundador dos Maristas: Beato e Santo, Marcelino Champagnat.

ANTERIOR

Testemunho de Milton Daniel De Bedia Ibarra, ...

PRÓXIMO

Cmi lança o Guia para o Voluntário Marista...